Educação

Enquanto os homens se jogam no mundo tecnológico e na cultura geek, as mulheres ficam de lado, frequentemente percebidas como deslocadas.
Há uma dupla razão para isso: as referências do mundo tecnológico são majoritariamente masculinas e as mulheres não sentem que pertencem a esses ambientes. Desde a infância, homens são orientados em direção a carreiras STEM enquanto mulheres são dirigidas a estudos literários. Assim, a sociedade chegou ao acordo tácito de que tecnologia é para homens e que as mulheres têm pouco – ou nada – a ver com esse universo.

Em Women in Tech, acreditamos que a educação é a chave que poderá transformar esse estado de coisas e abrir novas perspectivas tanto para mulheres quanto para homens. Não há sentido em opor os dois gêneros em vez de ajudar a ambos a evoluir lado a lado. Todos podemos nos beneficiar das sinergias criadas em equipes multigênero e multiculturais que dividem diversos pontos de vista.

Independentemente de gênero, idade ou experiência, a educação deve fazer parte de nossas vidas e permitir que nos tornemos o que quisermos ser. Uma menina tem que poder se permitir imaginar que encontrará um unicórnio, assim como uma mulher tem que poder fazer mudanças em sua carreira sem se perguntar se está velha demais para isso. A possibilidade que temos hoje de fazer formações em qualquer estágio da vida deveria servir como um trampolim para seguirmos a carreira dos nossos sonhos.

Por isso, advogamos por um tipo diferente de educação que ajude mulheres e homens a pensarem de novas maneiras a longo prazo. Nosso propósito é dar chances a todas as pessoas, empoderando mulheres e meninas, mas também homens e meninos. A igualdade de gênero começa com a luta contra o preconceito. Não queremos jogar os homens para escanteio. Ao contrário, queremos trabalhar com eles, integrando-os em nossa jornada educativa em direção ao futuro.

Diversos programas podem fazer isso acontecer:

  • Educação na escola: com aulas específicas que apresentem a indústria tecnológica e as mulheres que fazem parte dela, seja como fundadoras, desenvolvedoras, gerentes… O objetivo é enfatizar o trabalho em equipe e desconstruir os estereótipos negativos sobre a relação entre as mulheres e a tecnologia.
  • Workshops para adolescentes e jovens adultos: programação de computadores, empreendedorismo, start-ups, blockchain, inteligência artificial… estão entre os temas de maior importância atualmente. É importante informar meninas e mulheres sobre esses temas, mas workshops sobre respeito mútuo no ambiente de trabalho também são essenciais para criar um ambiente favorável, criativo e produtivo para todos.
  • Mentoring (inverso): enquanto os millenials dominam as novas tecnologias (redes sociais, trocas de mensagens, etc), as pessoas mais velhas por vezes ficam para trás. Por outro lado, os jovens são cheios de ideias e ambições, mas não têm experiência. Mentoring e mentoring inverso permitem diminuir as disparidades geracionais, ajudando a criar relações que beneficiam tanto os mais jovens quanto os mais velhos.

A educação torna tudo possível!